Obstrução congênita de vias lacrimais

A lágrima produzida pela glândula lacrimal é drenada através dos pontos lacrimais

Figura 1. A lágrima produzida pela glândula lacrimal é drenada através dos pontos lacrimais, passando pelos canalículos até chegar no ducto naso-lacrimal.

O que é a obstrução de ducto naso-lacrimal ou das vias lacrimais?
Em uma situação normal, as lágrimas são produzidas constantemente, a fim de lubrificar a superfície do olho. Após lubrificar o olho, as lágrimas são drenadas (retiradas do olho), indo para a cavidade nasal (interior do nariz), através de um sistema de drenagem chamado “vias lacrimais”. Nas vias lacrimais, a drenagem das lágrimas se inicia através de duas pequenas aberturas no canto das pálpebras (os pontos lacrimais), que se continuam com dois canalículos, os quais se juntam, formando o ducto naso-lacrimal (ver figura 1). O ducto naso-lacrimal, por sua vez, deságua na cavidade nasal.

Assim, a obstrução (entupimento) em algum ponto das vias lacrimais pode fazer com que as lágrimas não sejam drenadas adequadamente. Nestas situações, as lágrimas ficam acumuladas nas pálpebras e podem escorrem pelo rosto, gerando lacrimejamento.

O que causa obstrução do ducto naso-lacrimal em crianças?
A causa mais comum é a falha de uma membrana (conhecida como válvula de Hasner) em se romper espontaneamente ao nascimento.Outras causas são: ausência de pontos lacrimais, sistema (vias lacrimais) muito estreito e infecções.

Obstrução de ductos naso-lacrimais é freqüente em crianças?
Mais de 5% das crianças tem sintomas de obstrução de vias lacrimais. Felizmente, cerca de 90% curam-se espontaneamente durante o primeiro ano de vida.

Quais são os sinais e sintomas da obstrução do ducto naso-lacrimal?
O entupimento no sistema de drenagem faz com que as lágrimas fiquem acumuladas na superfície ocular e saiam pelas aberturas palpebrais, escorrendo pelo rosto, como se a criança estivesse chorando ou com os olhos molhados. As pálpebras podem ficar vermelhas e levemente inchadas (e às vezes grudadas uma na outra), com uma secreção amarelada. Em casos mais graves pode haver uma infecção no sistema lacrimal, conhecida como dacriocistite.

Como a obstrução de ducto naso-lacrimal é diagnosticada?
Uma história de lacrimejamento e secreção bem no início da vida é um forte indício de ducto naso-lacrimal obstruído. Um médico oftalmologista é capaz de realizar alguns exames e testes no consultório para confirmar o diagnóstico de obstrução e descartar outras causas de lacrimejamento na infância como o glaucoma, por exemplo.

Como é feito o tratamento da obstrução de vias lacrimais?
Felizmente, a maioria dos casos de obstrução em crianças resolve-se espontaneamente. Quando a obstrução é persistente um ou mais dos seguintes tratamentos podem ser recomendados: massagem, antibiótico sob a forma de colírio (se houver infecção) e sondagem de vias lacrimais.

 

Figura 2. Massagem palpebral.

Figura 2. Massagem palpebral.

Como a massagem funciona?
A massagem pode ser feita em casa por quem cuida da criança. O canto nasal da pálpebra é pressionado e o dedo indicador que massageia desliza em direção à ponta do nariz (figura 2). Ela é feita com o objetivo de auxiliar na abertura da membrana que está causando a obstrução. Vale lembrar que antes de realizar a massagem, é necessário lavar bem as mãos, a fim de evitar a transmissão de infecções como conjuntivites, por exemplo.

 

Quando os colírios de antibióticos devem ser usados?

Quando houver suspeita de que há uma infecção nas vias lacrimais. Nesta situação, geralmente a criança apresenta muita secreção e vermelhidão ocular. Devemos lembrar que os colírios antibióticos servem para tratar a infecção e não resolvem a obstrução. Muitas vezes, quando os antibióticos são suspensos a secreção ocular volta.

Quando deve ser feita a sondagem das vias lacrimais?
Geralmente, não se realiza a sondagem em bebês com menos de 6 meses, pois pode haver uma cura espontânea neste período inicial. Em crianças ou bebês com mais de 6 meses, a sondagem deve ser realizada se houver suspeita de obstrução das vias lacrimais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *