Catarata

O que é a catarata?

A catarata é uma doença progressiva que causa a opacificação do cristalino. O cristalino é a lente natural do olho e deve ser transparente para que os raios de luz o atravessem e alcancem a retina (onde se forma a imagem). Assim, a presença da catarata prejudica a visão, pois dificulta a entrada de luz no olho.

Cristalino com catarata

Cristalino sem catarata

O que causa a catarata?

Na maioria das vezes, a catarata está relacionada com o envelhecimento, podendo ocorrer mais cedo em algumas pessoas e mais tarde em outras. Além da idade, outros fatores que podem acelerar o desenvolvimento da catarata são: doenças sistêmicas (diabetes, por exemplo), histórico familiar, inflamações oculares e uso prolongado de algumas medicações (corticóides, por exemplo).

Quais são os sintomas da catarata?

O sintoma mais comum é a diminuição da visão, como se a lente dos óculos estivesse embaçada. Outros sintomas que podem ocorrer são: visão dupla, sombras nas imagens e halos ao redor das luzes, principalmente à noite.

Como progride a catarata?

A catarata progride gradualmente, ao longo de meses e anos, sendo que a velocidade de progressão é muito variável, podendo ser mais rápida ou mais lenta em cada indivíduo.

Como se diagnostica a catarata?

A detecção da catarata é feita pelo médico oftalmologista ao examinar o paciente durante a consulta. Conforme o caso, outros exames poderão ser solicitados para o planejamento da cirurgia. Um destes exames se chama biometria. Este exame serve para calcular o grau da lente que deverá ser colocada dentro do olho.

Qual é o tratamento da catarata?

O único tratamento para a catarata é a cirurgia. Não existem colírios ou óculos capazes de corrigir a catarata.

Como é a cirurgia da catarata?

A cirurgia consiste na retirada do cristalino opaco (catarata) e na introdução de uma pequena lente dentro do olho. Atualmente, a técnica cirúrgica mais moderna é a FACOEMULSIFICAÇÃO. Por meio deste método a catarata pode ser retirada com mais segurança e com melhores resultados, facilitando a recuperação após a cirurgia. Assim, o uso de equipamentos e lentes intra-oculares de alta tecnologia, aliados a destreza do cirurgião, possibilitam uma cirurgia com pequenas incisões (microcirurgia) e sem a necessidade de pontos (sem sutura), diminuindo os riscos cirúrgicos.

A cirurgia é com LASER?

Não. A facoemulsificação não é feita com LASER, e sim com um instrumento que fragmenta a catarata por meio de uma vibração em alta freqüência (energia ultra-sônica). Em alguns casos, depois da cirurgia, pode ocorrer a opacificação da membrana que envolve a lente, o que se chama opacificação da cápsula posterior do cristalino. Quando isto acontece, pode ser feita uma aplicação de LASER para melhorar a visão, chamada capsulotomia com YAG-LASER.

Como é a anestesia?

Na maioria das vezes, utilizamos a anestesia tópica, com uma sedação leve. Isto significa que utilizamos gotas de colírios anestésicos e uma sedação suave, a fim de propiciar uma cirurgia tranqüila e sem dor. Assim, evitam-se os riscos inerentes às injeções (hematomas, etc) e obtemos uma recuperação mais rápida após a cirurgia, sem os efeitos de uma sedação excessiva, já que não é necessária a anestesia geral.

Precisa de hospitalização?

Geralmente, não há necessidade de ficar no hospital. Assim, a cirurgia é considerada ambulatorial, pois o paciente costuma ir para casa no mesmo dia, após a cirurgia.

 

Para saber mais sobre a cirurgia de catarata, clique aqui

3 Comentários

  1. […] lentes de contato ou com a cirurgia da presbiopia. Outra doença que afeta o cristalino é a catarata. A catarata é uma doença progressiva que causa a opacificação (perda da transparência) do […]

  2. […] Oscar-Claude Monet (1840 – 1926) foi o mais célebre dos pintores impressionistas franceses. O termo impressionismo foi usado inicialmente de forma pejorativa pelos críticos da época, em alusão ao quadro de Monet chamado “Impressão, nascer do Sol” (ou em francês, Impression, soleil levant) de 1872. Mais tarde, porém, o impressionismo se consagrou como uma grande revolução na pintura e o nome de Monet se espalhou pelo mundo. O que poucos sabem, contudo, é que Monet teve catarata. Com o surgimento e a progressão da catarata, sua visão foi diminuindo. Mas, felizmente, Monet não deixou de pintar por causa da catarata. Para compensar a piora na visão, Monet passou a usar cores mais fortes, especialmente tons de vermelho. Para saber mais sobre Catarata, clique aqui […]

  3. Simone Roth Müller disse:

    Adorei o artigo. É bem explicativo!
    Simone Roth Müller – Novo Hamburgo, RS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *