Blefarite e Calázio

O que é a blefarite?

A blefarite é um processo crônico de inflamação dos bordos das pálpebras. As pálpebras, por sua vez, são as membranas que recobrem os olhos e que participam do processo de piscar. A inflamação que caracteriza a blefarite se processa através de alterações nas glândulas meibomianas, as quais estão localizadas nos bordos palpebrais. Estas glândulas meibomianas produzem uma oleosidade, necessária para estabilizar a lágrima e manter a superfície ocular saudável.
Assim, quando há blefarite, a secreção destas glândulas fica alterada, prejudicando a lubrificação dos olhos, o que gera mais inflamação na superfície ocular. Cria-se, desta forma, um ciclo vicioso, no qual a inflamação prejudica a lubrificação ocular e esta lubrificação alterada acentua o processo inflamatório.

Quais são os sinais e sintomas da blefarite?

A blefarite pode se manifestar de diversas maneiras. Seus sintomas mais freqüentes são: prurido (coceira), ardência, sensação de areia nos olhos, lacrimejamento e fotofobia (intolerância com a luminosidade). Seus sinais mais usuais são a hiperemia ocular (olhos vermelhos), perda de cílios, formação de crostas no bordo palpebral, edema palpebral (inchaço das pápebras) e hiperemia dos bordos palpebrais (pálpebras avermelhadas).

Quais são as causas da blefarite?

As bactérias existentes na superfície da pele e do olho são consideradas as principais responsáveis pelo processo crônico da blefarite. Estas bactérias podem ser favorecidas quando o sistema imunológico (as defesas do organismo) estiver prejudicado, o que ocorre em situações de estresse e durante outras doenças. As más condições de higiene e o excesso de oleosidade da pele também favorecem o aparecimento da blefarite.
Fatores ambientais, como a poluição atmosférica, a poeira e a falta de umidade em ambientes climatizados (excesso de uso de ar-condicionado) também podem acentuar a blefarite. Além disso, fatores genéticos provavelmente estão envolvidos, predispondo ainda mais algumas pessoas a esta doença.

Quais são as conseqüências da blefarite?

Como já mencionado acima, a blefarite prejudica a lubrificação dos olhos devido ao aumento da inflamação da superfície ocular. Além dos sinais e sintomas decorrentes deste processo, a persistência da blefarite pode levar à perda e à despigmentação dos cílios (os cílios ficam brancos), a alterações da superfície da córnea e ao aumento do risco de infecções oculares. Isto, por sua vez, pode prejudicar o uso de lentes de contato, interferir no pós-operatório de cirurgias oculares e causar abscessos localizados no bordo palpebral, chamados de hordéolo e calázio (ver mais sobre isto abaixo).

Qual é o tratamento da blefarite?

Existem diversas formas de tratar a blefarite. Assim, cada caso deverá se avaliado com bastante critério, a fim de escolher a abordagem terapêutica mais apropriada. Além disso, muitas vezes, iniciamos com um tratamento e o modificamos ao longo do acompanhamento do paciente.
O tratamento dos casos leves e moderados de blefarite envolve, geralmente, o uso de pomadas (ou colírios) de antibióticos, associados ou não com corticóides. A freqüência e a duração do tratamento também variam, conforme a gravidade do caso e de acordo com a resposta ao tratamento inicial. Nos casos mais severos, além do uso de pomadas e colírios, medicamentos orais (cápsulas ou comprimidos ingeridos pela boca) também poderão ser usados. Nestes casos, empregam-se, principalmente, antibióticos por um determinado período de tempo. Além disso, o óleo de linhaça e outras fontes de ácidos graxos do tipo ômega-3 (óleo de peixe, por exemplo) também podem ser usados no tratamento de blefarite, devido às suas propriedades anti-inflamatórias.

O que é o hordéolo? O que é o calázio?

O hordéolo é uma espécie de abscesso do bordo palpebral envolvendo as glândulas meibomianas, geralmente decorrente de um processo crônico de blefarite. Assim, no interior do hordéolo, encontramos um conteúdo purulento, misturado com a secreção oleosa das glândulas meibomianas. Como todo abscesso, o hordéolo poderá evoluir, expandindo seu volume, gerando edema palpebral, calor local e desconforto ao paciente.
Já o termo calázio, costuma ser utilizado para descrever o processo de evolução crônica do hordéolo. Este processo ocorre com o passar dos dias, semanas e meses, gerando fibrose no local, tornando a lesão mais rígida (mais dura).

Se não for tratado, o calázio pode piorar?

Se não for tratado adequadamente, o hordéolo ou o calázio podem piorar, gerando um abscesso de maior dimensão ou evoluir para uma celulite pré-septal (infecção difusa dos tecidos peri-oculares). Em situações mais severas (felizmente pouco freqüentes), o processo infeccioso pode agravar-se, estendendo-se para tecidos mais profundos, como nos casos de celulite orbitária, a qual pode chegar a comprometer as meninges (meningite), necessitando internação hospitalar de urgência.

Qual é o tratamento para o hordéolo e para o calázio?

Nos estágios iniciais, quando a lesão é recente e pequena, o tratamento consiste no uso de pomadas (ou colírios) contendo antibióticos associados com corticóides (tratamento parecido com o da blefarite). Em alguns casos, acrescentam-se antibióticos de uso oral (comprimidos ingeridos pela boca) para aumentar as chances de sucesso do tratamento.
Já nos casos mais avançados, em lesões maiores, o tratamento apenas com medicamentos (pomadas e comprimidos) não costuma ser suficiente para resolver adequadamente o problema. Nestes casos, a cirurgia está indicada, associada com o tratamento medicamentoso.

Como é a cirurgia do hordéolo e do calázio?

A cirurgia consiste em realizar uma incisão através da qual retiramos o conteúdo purulento do interior do abscesso, a fim de acelerar o processo de cura. Quando a lesão é mais antiga, pode haver bastante fibrose (fibras de colágeno), gerando uma lesão mais endurecida, o que torna a cirurgia mais trabalhosa. Por esta razão, os melhores resultados cirúrgicos são obtidos em lesões mais recentes. Assim, havendo indicação cirúrgica, o mais interessante para o paciente é buscar a resolução do problema junto ao médico oftalmologista, sem perda de tempo.

Como é a anestesia da cirurgia do calázio?

Geralmente optamos pela anestesia local, evitando-se os riscos da anestesia geral. Em crianças pequenas, porém, costuma-se realizar uma anestesia geral. Como é um procedimento ambulatorial, o paciente costuma retornar para casa após o procedimento, não havendo necessidade de internação, na grande maioria das vezes.

12 Comentários

  1. […] e/ou infecção das glândulas meibomianas se chama meibomite, mas também é conhecida como blefarite (blefarite, na verdade, seria uma inflamação mais difusa das pálpebras). Internamente, as […]

  2. Ana Cláudia Bulhões disse:

    Muito bom este texto. Gostei.
    Ana Cláudia Bulhões, Belo Horizonte.

  3. camila aparecida de paulo disse:

    Gostei desse esclarecimento sobre o calázio
    é importante informar-se sobre o que nos é
    desconhecido!!
    tenho que fazer essa cirurgia para a retirada
    do calázio e agora que sei o que é,e como
    é retirado estou bem mais tranquíla..
    Camila Aparecida ,Franco da Rocha

  4. marilia disse:

    estou com a cirurgia marcada para retirada do calazio tomara que corra tudo bem valeu

  5. nathan disse:

    eu tenho blefarite!

  6. Antonio Carlos disse:

    Achei muito esclarecedor, excelente explicação. Fiz a cirurgia e a biópsia deu calázio e fui procurar do que se tratava. Antonio Carlos – Rio de Janeiro.

  7. Nina Santos disse:

    Enfim tranquilizei-me a respeito do calázio que me surgiu na pálpebra.
    Ao CEO de Porto Alegre meu agradecimento.

  8. Cristiane disse:

    Foi a melhor explicação que li até agora. Parabéns!!!

  9. Tauane Martins disse:

    Estou com um calázio na pálpebra inferior do olho esquerdo a pouco mais de 2 meses, eu estava esperando que sumisse, usei pomada oftálmica, não posso dizer que ele progrediu e nem que regrediu está mais ou menos do mesmo jeito, as vezes fica quase que imperceptível, mas irei procurar um oftalmo ainda esse mês. Me sinto HORRÍVEL com isso, ainda mais quando as pessoas ficam perguntando af! Boa sorte a nós que fomos “premiados” com esse tal de Calázio :/

  10. bruna disse:

    boa tarde nao sei se isso que minha filha tem ela a mas ou menos um ano fica com os olhos lagrimejando ,vermelho, com muita segresao no começo achei que era da franja sumia rapido de um dos meses pra ca ja usei tres tipos de colirios dois deles com antibioticos e nao melhorou ja marque oftalmo mas nao sei se causa algum dano a visao dela .

  11. Lourdes - Recife - Pe disse:

    Depois de um tratamento por 5 meses,(colírios e remédio oral),minha oftalmologista mandou-me para uma outra ,que diagnosticou como blefarite. Estou usando um gel, e depois de ler esse diagnóstico, fiquei mais tranquila. Vou aprender a conviver com a BLEFARITE. Obrigada, dr. Luciano pelo bom esclarecimento.

  12. francieli pedrozo disse:

    Gostei muito da explicação, minha cirurgia já esta marcada para o mês que vem tomara que de tudo certo, agora e só esperar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *